Archive for novembro \30\UTC 2009

Camburi

novembro 30, 2009

Com a chegada do verão está aberta a temporada de caça no litoral. No caso, o norte, destino de boa parte da jeunesse dorée paulista. E como eu sei que você daria tudo (e mais um pouco) por uma praiazinha a esta hora, borá falar dos destinos para se jogar no verão.

Vou começar por Camburi, uma bela praia cujo diferencial começa pela fauna reservada e bem-nascida. Quem tem casa ali, por exemplo, tem horror ao crowd, preferindo fugir dos feriados e das estradas lotadas.

Digamos que se o litoral norte fosse São Paulo, Maresias seria o Jardins e Camburi a Cidade Jardim. Sabe onde é? Quem vive aqui sabe… E adoraria morar a uma quadra do Shopping Iguatemi.  

Estando em Camburi, é no canto direito que a moçada se reúne. Ali, se abandona o guarda-sol e cadeiras na areia, voltando no final de tarde com uma caipirinha na mão, encontrando tudo no lugar. Como tem quem ser.

Mas atente. Junto com o protetor Lancaster, a revista importada e a barriga tanquinho, um acessório indispensável para se levar a Camburi é o nariz em pé. Sim colega, modéstia é artigo raro no litoral paulistano. Acostume-se e bom verão.

Espelho

novembro 24, 2009

Outro dia numa enquete do facebook (Que Bairro de SP Você é) realizei de como é difícil a gente se avaliar. Porque colega tava crente (cren-te) que ia dar Jardins. E deu Vila Mariana.

Antes que algum morador me xingue, já aviso que adoro a Vila Mariana. Morei lá um tempão na época da faculdade e acho digno que dá para ir a pé para o parque.

Só quis brincar com o fato de que a gente olha no espelho e se acha chique, quando é xucro. E que nem todos os anos de restaurante caro, taça de prosecco e carro importado vão conseguir disfarçar isso (suspiro). 

Por outro lado, não é por que você não nasceu em berço de ouro que vai usar pochete com cinto trançado. É importante saber de onde a gente veio, mas mais importante ainda saber para onde vai.

E se tiver dúvida de que está no caminho certo, basta olhar em volta. Se sentir a inveja gritando, engata a primeira que é bem por aí.

O troco

novembro 23, 2009

Queria ser tantas coisas. Ser rico, bom de lábia, cinco centímetros mais pauz alto… Também gostaria de ter sangue frio para certas causas, principalmente as que você desiste depois que a cabeça esfria. Tipo se vingar de quem te fodeu.

Veja bem, não sou nenhum mr. Vendeta. E acho que ninguém tem tempo pra isso. Mas já pensou que delícia seria se aquele chefe pilantra, aquele ex safado ou aquela amiga vigarista, recebesse o troco exatamente como você pensou?

Não falo de sangue, fratura ou morte (ou falo?). Digo em dar a mesma moeda para os que não tiveram pudor em passar por cima de você. Gentinha de lábia doce e alma cruel, que te mostrou que existe o lado negro da força.

No fundo, sabemos que a vida vai se encarregar dessa categoria. Mas se ela apressar as coisas para a gente poder saborear este momento, não seria nada ruim. Pois existem pratos que se comem frios, alguns mornos e outros quentes, beeem quentes.

Estágio para boy

novembro 19, 2009

Boy paulistano me cansa. Mas aprendi a respeitar. Já semi boy, definitivamente, me falta paciência. E você, sabe a diferença?

 . Boy usa polo Lacoste. Semi boy usa Sérgio K. Que foi cool mas hoje até seu porteiro tem. E encolhe na primeira lavada, criando flash mob de umbigo gordinho na Oscar Freire.

 . Todo boy é meio idiota mas é educado. Já semi boy deixou a educação em Araraquara, com a fivela e a bota. E aqui em São Paulo trata mal o garçom porque o bife não veio ao ponto.

 . O semi boy se orgulha de malhar na Reebok. Já o boy se orgulha de malhar em qualquer lugar, porém a tarde, entre um mergulho e outro no Paineiras, já que não trabalha.

 . O Boy tem carrão. Já semi boy tem barata da morte. Nada contra carro popular. Tudo contra nego bêbado de carro tunado, que acorda o papai na madruga porque bateu. No caso, no seu carro.

 Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é. Mas pagar de Chiquinho Scarpa por aí só vai queimar seu filme. Um conselho? Tira essa correntona cafona do pescoço e salva a dignidade que te resta.

Mondo bl@ckberry

novembro 18, 2009

–       Como foi o médico?

–       Curti. Atendimento super prime.

–       Particular né querido!? Vai de convênio para ver!?

–       Achei first class

–       Já viajou na primeira?

–       Nunca… Comparo sem referência. 

–       Li que o atendimento aqui é melhor que na Champs Elisée

–       O medico?

–       Não, o de loja. Tomba Milão. Mas perde pra Rodeo Drive.

–       Deve ser por isso que vivo no cheque especial.

–       Pois eu parei com tudo… Não posso gastar mais nem uma agulha.

–       Sei. E você está onde?

[silêncio ao fone]

– Na Oscar Freire… Mas olha, não é nada para mim…

Chegada bapho

novembro 16, 2009

Precisa explicar? A chegada bapho, também conhecida como dramática, segue a risca o ditado de que “a primeira impressão é a que fica”. O problema é quando a pessoa exagera, deixando ficar uma impressão bem da errada.

Você pode acionar a chegada bapho onde e quando bem entender. Numa balada, num evento, numa primeiro encontro, para o namorado em casa. No meu trabalho, por exemplo, as pessoas não chegam, elas estréiam.

Não, não é exagero. Posso dizer quer estas chegadas conseguem unir no mesmo dia os elementos Harley Davidsons, chapéus panamás, modelos exóticos e óculos escuros diversos, com toda uma gama de carão.

Não vou cuspir no prato, pois já tive esta fase. Hoje, prefiro chegar na miúda munido de um bom copo do starbucks, enquanto organizo o dia para apressar o que realmente importa: a hora da saída.

Bem vindo. Bien venido. Welcome.

novembro 13, 2009

Você não é do jet set, não vive numa penthouse e nem é íntimo de celebridade? Realizou que os sonhados dias navegando em Angra, com uma boa taça de champanhe na mão podem demorar mais do que você previa? Bem vindo ao clube colega! Mas será que sem isso a vida não pode ser igualmente animada? Ou não há de ter o seu hype? Morando em São Paulo, a cidade que divide na mesma proporção os adjetivos cosmopolita e deselegante, a gente se diverte acreditando que dá, como você vai ver nas historinhas deste blog. Mas é dever alertar que os textos daqui não têm fundamento nenhum. Nem científico, nem antropológico, quiçá filosófico. Assim como não há a menor sombra de lógica para a reunião dos assuntos. Se a sua pretensão também é nenhuma e você está nem thuns pra essa de conteúdo politicamente correto, bem… Você não anda fazendo boas escolhas por aí, mas pelo menos acertou de blog.