Archive for março \27\UTC 2012

Gente estranha

março 27, 2012

ImagemPeople are strange, disse o Jim. E bota strange nisso.  E em alguns casos, o melhor a fazer é sair de perto. Alguns exemplos:

A tia gorda louca. Aquela tia carente que puxa papo na rua. Num 1o olhar ela parece normal, até não falar coisa com coisa. Primeiro a gente responde, depois ignora e, diante da insistência, vai embora. Tenho dó, mas já lido com tanto pirado que no tempo livre quero sossego.

O bêbado chato. Vai da depressão a agressividade numa taça de prosseco. Não confundir com a sua namorada no fim do mês, isso é TPM. Já conheci muito bêbado engraçado e quero que eles sejam felizes, mas num boteco bem longe de mim.

O militante. Pior do que o bêbado, porque consegue ser chato mesmo sóbrio. Defende o verde, enche seu Facebook com cachorrinhos abandonados e milita pelo PT. Você até pode achar normal, mas pra mim gente assim é patologia.

O xavequeiro sem noção. Você está na sua e chega ele, todo sedução: rabo de cavalo, tetinhas, brinquinho. Você dispensa, ignora, trata mal e o cara lá, insistindo. Coragem eles têm, admito (e admiro) o que falta é semancol.

A pessoa sincera. Não é seu amigo, parente, nada seu. Vocês mal se conhecem até que ele comeca a querer te ‘dar uns toques’, gongando sua aparência, profissão, vida pessoal. O ideal seria eliminar, com requintes de tortura. Na impossibilidade, saia de perto.

Finalizo com uma dica duma amiga, que disse que pra gente descobrir se a pessoa é louca, louca mesmo, basta bater palmas. Se a pessoa começar a dançar, é batata. Louquíssima. Daí uma vez fiz isso… Mas a pessoa assustada saiu do lado, provavelmente me tirando de louco, claro.

Placas do Parque

março 12, 2012

Passeando pelo parque do Ibirapuera (um vício novo e bem vindo) pensei em impossíveis plaquinhas de advertência que poderiam tornar a convivência por lá melhor. Espia e me diz se você não concorda?

Não faça cera pra liberar a vaga. Acabou? Entrou, ligou, vazou.

Para as pessoas que ficam alongando no capô, ou no celular, fingindo não ver a fila de espera. É feio. Tanto o ato quanto a pessoa, que se fosse boa coisa não precisaria chamar a atenção dessa forma.

Gosto é que nem cu e cada um tem o seu, mas ao vir ao parque evite roupas desconfortáveis.

Pras desavisadas de salto alto, maquiagem, jeans Gang. No geral, a galera acerta na pouca roupa, confirmando o verão como a melhor época do ano para se apreciar a fauna local.

As mina NÃO pira na marmita. Faça piquenique no lugar indicado.

Na praia é costume comer de tudo, até levar isopor. Já no parque não pega bem não. Melhor levar um lanchinho ou graninha extra para um açaí (essa é pessoal).

Se você é movido a música, outros são a silêncio. Respeite.

Sampa tem pouco lugar pra se curtir o silêncio. Daí, imagina o que as pessoas pensam a seu respeito quando você passa com seu celular tocando tche-tche-rere no último volume? A orelha da sua mãe deve ficar beeem vermelha.

Galera, matinho não é motel.

Acho que essa não preciso explicar…