Archive for the ‘cê ju-ra!’ Category

Desencanado

fevereiro 12, 2015

desencanado

Você faz o estilo desencanado né, me perguntou o xóvem. Fui meio-que-pego de surpresa enquanto tentava entender se aquilo tinha sido uma ironia  (já bem sabendo que era) e acabei concordando no automático, tipo uma gordinha que diz que está grávida mesmo sem estar.

Quando a roda se dissipou pedi um gin-tônica e refleti sobre o assunto. Fato! No who is who do mundo sócio-cosmopolita-hipster-metrossexual-paulistano, possivelmente você seria considerado uma criatura do tipo desencanada. E não é uma coleção de pulserinhas bacanuda que pode mudar esse veredicto.

No segundo gin-tônica você já começa a entender os porquês. Acontece que pra pessoas como você, é bem difícil ser estiloso sem deixar de ser prático. Afinal, nada te brocha mais do que gente que anda com álcool-gel na mochila e esteriliza tudo o que toca. Me pergunto como essa gente transa!

E antes que você comece a me imaginar na idade da pedra, faço aqui um parêntese. Estar asseado (tentei usar outra palavra mas não encontrei), vestido apropriadamente e saber a hora certa de falar, e principalmente, de não falar nada, não significa ter estilo mas educação.

O que me leva ao garoto no começo. Ele ter razão não exime a deselegância da opinião disfarçada de crítica, ainda mais quando você não conhece a pessoa. Eu poderia ter comentado que acho broxante homem de maquiagem. Mas como ele mesmo colocou, ainda bem que que eu estou na categoria dos desencanados e não dos francos.

Festival Sonar

maio 16, 2012

São Paulo, dez da noite. Dirigindo para a 2a edição do Sonar, no Anhembi, você estranha a falta do tumulto na porta. Tudo é tão civilizado que até o cambista tem cartão de visita, “pra eventos futuros”, explica ele.

Lá dentro, modernos das mais variadas procedências desfilam seus alargadores de orelha entre 3 palcos: um no pavilhão de eventos, um no auditório e o terceiro, inusitado, escondido atrás de uma cortina preta, para se assistir em cadeiras.

No palco maior você procura pelo Cee Lo Green. Te explicam que ele saiu (oi?) e deixou convidados cantando. Cee Lo volta, canta Fuck You (a única música que você gosta conhece) e vai embora. Pelo menos já dá para falar que a gente viu, sentencia a amiga.

Mas o que 10 em cada 10 pessoas aguardavam ansiosamente era o Justice, um tipo de Black Eyed Peas dos hipster. Minutos para começar o show o pavilhão lota. Duplas, trios, turmas, correm de mãos dadas em direção ao palco, decorado com uma cruz iluminada.

O Justice entra. E samba de all-star fluo na cara da sociedade hispter. Alguns fãs cantam e gestualizam as letras, num tipo de histeria cool.  O show é memorável e, pra alegria do festival, faz geral esquecer a desistência de última hora da Bjork.

O show acaba. Todos resolvem ir para outra pista e você para a sua casa. Enquanto dirige de volta, chega a conclusão que se todo evento moderninho for assim, organizado, vazio e acabar cedo, vale a pena comprar uma jaqueta de náilon e fingir que OK GO é legal. Que venham os próximos.

Gente estranha

março 27, 2012

ImagemPeople are strange, disse o Jim. E bota strange nisso.  E em alguns casos, o melhor a fazer é sair de perto. Alguns exemplos:

A tia gorda louca. Aquela tia carente que puxa papo na rua. Num 1o olhar ela parece normal, até não falar coisa com coisa. Primeiro a gente responde, depois ignora e, diante da insistência, vai embora. Tenho dó, mas já lido com tanto pirado que no tempo livre quero sossego.

O bêbado chato. Vai da depressão a agressividade numa taça de prosseco. Não confundir com a sua namorada no fim do mês, isso é TPM. Já conheci muito bêbado engraçado e quero que eles sejam felizes, mas num boteco bem longe de mim.

O militante. Pior do que o bêbado, porque consegue ser chato mesmo sóbrio. Defende o verde, enche seu Facebook com cachorrinhos abandonados e milita pelo PT. Você até pode achar normal, mas pra mim gente assim é patologia.

O xavequeiro sem noção. Você está na sua e chega ele, todo sedução: rabo de cavalo, tetinhas, brinquinho. Você dispensa, ignora, trata mal e o cara lá, insistindo. Coragem eles têm, admito (e admiro) o que falta é semancol.

A pessoa sincera. Não é seu amigo, parente, nada seu. Vocês mal se conhecem até que ele comeca a querer te ‘dar uns toques’, gongando sua aparência, profissão, vida pessoal. O ideal seria eliminar, com requintes de tortura. Na impossibilidade, saia de perto.

Finalizo com uma dica duma amiga, que disse que pra gente descobrir se a pessoa é louca, louca mesmo, basta bater palmas. Se a pessoa começar a dançar, é batata. Louquíssima. Daí uma vez fiz isso… Mas a pessoa assustada saiu do lado, provavelmente me tirando de louco, claro.

Brilhe em 2011

dezembro 8, 2010

Alto(a), baixo(a), magro(a) gordo(a), hétero, gay. Tirando pra quem quer dormir com você isso importa cada vez menos. Mas importa (e muito) o jeito que você se veste, age e se mostra. Então colega, senta aqui e deixa eu te contar um negocinho pra ter rikeza e poder em 2011:

. Você que fala demais é um perigo. Sobretudo para si mesmo. Uma dica que pode ajudar você numa rodinha nova: ocupe a boca. Fume, beba, beije mas fique ao máximo calado e guarde seu brilhantismo pro seu labrador.

. Você gosta de moda? Ótimo. Mas está na hora de você se conformar que se destacar pelo figurino, em qualquer lugar do mundo, é um erro. Elegância rima com discrição. Quer brilhar? Monange Hidrasháine. E só.

. Essa dica é meio dura. Preparado? Sorrir é cartão de visitas. Você ganha o suficiente para um bom dentista te deixar com aquele piano na boca. Se precisar, parcele. Tudo bem gostar da Luciana Gimenez mas o seu padrão de qualidade tem que ser Globo. Sempre.

. Outra coisa, intimidade no trabalho só para amigos. E amigos no trabalho não existem. Pegou? E sim, aquela amiga que te elogia todo dia quer mesmo é te ver morta. Homens, há exceções. Mulheres, é regra.

. Todo bonzinho morre coitadinho. Seja firme com quem passou por cima de você, não importa a razão. Não aconselho dar troco, mas se for dar, dê de forma que a pessoa tenha medo de você pra sempre. Certas coisas não se perdoam e ponto final.

Tudo acima foi testado pessoalmente, afinal, de alguma coisa vale estar na casa dos trinta. Como saber se você está no caminho certo? Descubra o que andam falando de você. Se for muito, muito mal, pode continuar. O sucesso é por aí querido.

Opinando

junho 24, 2010

Tenho preguiça de algumas coisas. De acordar cedo. De falar com a gerente do banco. De fazer barba. Agora, se tem algo que me dá mais preguiça que tudo isso junto é a pessoa com opinião.

Longe de mim podar a opinião alheia. O problema é quando a pessoa não contente em ‘ter’ necessita ‘compartilhar’. E vira aquela criatura louca que precisa ser ouvida a todo custo.

A pessoa com opinião nem é má pessoa. Mas é tão chata que dá na mesma. Ou seja, é desagradável e te faz querer atravessar a rua. O que é um pensamento horrível mas quem nunca teve?

Ter opinião é importante. E diga-se de passagem essencial. Mas uma coisa é você iniciar uma discussão por uma boa causa. Outra coisa é iniciar uma discussão por uma causa besta. E tem ainda uma terceira coisa…

Que é não iniciar discussão nenhuma e falar de assuntos inteligentes e agradáveis. Isso sim uma boa ideia, na minha modesta opinião.

Momento

junho 18, 2010

Ano passado tive a sorte de pegar a Pride em Paris. Descendo o boulevard Saint-Germain, três dias após a morte de Michael, o DJ lançou Beat it. O dia estava lindo, o povo emocionado, eu meio bêbado e pá… Tive um momento.

Ter um momento é realizar aquele segundo em que o tempo para e que, por um instante, o mundo vale muito muito a pena de se viver.

Ninguém precisa viajar pra ter um momento. Já tive momento com os amigos sentado na rua, namorando em casa e até sozinho vendo um filme. Tem mais a ver com seu estado de espírito do que com o lugar.

Ruim é perceber que apesar da nossa pretensa vida cool, esses momentos estão cada vez mais raros. E que se antes você era mais xucro, também aproveitava mais.

Mas também não é o caso de dramatizar. Borá é rever uns conceitos e focar no que importa. Afinal, pior que uma vida sem momento é uma vida sem condição (sic). Falei.

Cold case

maio 31, 2010

A gente percebe que o inverno chegou em São Paulo por três coisas. O frio. A oferta de panela de fondue (aliás, não entendo o elân de SP com fondue). E a criatividade paulistana pra se vestir.

Em SP o frio é uma licença para ousar. A meu ver conjugar ousar com vestir é coisa pra celebridade e travesti. Mas como nem todo mundo pensa assim, a temperatura cai os modismos sobem.

Sampa lança tendência no inverno como a Bahia lança axé no verão. O último é a volta do chapéu. Usar chapéu me causa conflito. Vejo na Vogue e acho o máximo. Vejo nas ruas e acho creiço bacarái.

Tenho a impressão de que toda vez que um xucro como eu coloca um chapéu, morre uma fada.

Afinal, existem coisas na vida que até ficam bem em você. Outras que só ficam bem nos outros. E outras não ficam boas em ninguém… E não adianta insistir.

Efeito medusa

maio 18, 2010

Outro dia, beckembauer no mão e controle remoto na outra, realizei para aquele tipo de imagem que aterroriza a gente mas que a gente não consegue tirar o olho. O efeito medusa. Vamos a isso:

. A boca nova do Amaury Júnior. Se não fosse o reclame tava frozen até hoje.

. Gente atacada por animal selvagem #midivirto #prontofalei

. Teatro amador. Com nudez.

. O programa da Luciana Gimenez.

. Homem de luzes. E que joga o cabelo.

. Criança prodígio (pavor.com/uk)

. O abdômen mutante do Ryan Reynalds.

. Já falei da Luciana Gimenez?

(Des)Amarração

maio 7, 2010

Arrebentei meu cordãozim de ouro. Tava na piscina, o dia tava lindo, o sol brilhando, acreditei na saída drama e pá, arrebentei.

Na semana seguinte dirigindo para o trabalho enrosquei o escapulário no cinto de segurança e arrebentei também. E nessa semana fiz uma manobra radical com o mouse e pá, foi-se a pulseira do relógio.

Pode? Três acessórios no prazo de um mês. Mas já mandei consertar tudo e no paralelo pensei em comprar um relógio decente, já que o bacanudo eu perdi numa festa bafo, junto com uma nesga de dignidade.

Ainda tiveram os amigos gongando, dizendo que eu estava carregado, que era para eu andar com sal grosso, alho e por aí vai. Carregado para mim é quem mistura destilado com fermentado.

Mas na dúvida pus no pulso um outro acessório, mais barato, colorido e com a bênção do Nosso Senhor do Bonfim. Que proteção, sexo e dinheiro, nunca é demais.

Dieting

fevereiro 25, 2010

Chega uma fase que você realiza que tudo o que você gosta é ilegal, imoral ou engorda. Com o ilegal e o imoral tudo bem. É no engorda que a coisa complica.

Afinal, o mercado é competitivo, a paquera exigente e a praia implacável. E para ter quality assurance elevado, a gente tem que no mínimo corresponder as próprias expectativas.

E aos trinta a gente aprende que algumas coisas mudam. Se antes nego fechava a boca e já ficava trincado, hoje pode virar faquir que vai trincar só de fome.

Mas não é por isso que a gente vai jogar a toalha. Ou o garfo. Hoje dá para fazer dieta bacana sem viver de tofu. Claro que a sua geladeira vai parecer o setor diet do supermercado.

Fácil? Não é, como tudo na vida. Bóra pensar que no fim você vai ter um tanquinho pra chamar de seu. E uma clientela fiel sempre pronta a solicitar.