Archive for the ‘fitness’ Category

O estranho mundo do vestiário masculino

fevereiro 4, 2015

gym3

Vestiário de academia é um lance tenso. Magro, gordo, jovem, velho, ninguém fica confortável pelado num lugar lotado de espelho, luz branca e musiquinha de elevador. Não obstante, você ainda precisa lidar com aqueles personagens que deixam tudo ainda mais bizarro. Põe na tela:

O tiozão naturista. Aquela categoria de senhor que não tá nem aí e desfila bem a vontade pelo lugar brindando a todos com sua natureza senil-exuberante. Desconfio que o nosso plug-in do foda-se começa a rodar de verdade depois dos sessenta.

O manja rola. Aquele cara que passa mais tempo se secando dentro do vestiário que treinando na academia e fica de rabo (oi?) de olho manjando o pinto alheio. Reza a lenda que o cara nem gay é só tem essa… digamos assim, curiosidade.

O boleiro. Aquele tipo amigão que se troca enchendo o saco comentando sobre o campeonato paulista, brasileiro, europeu, libertadores, conmebol, ignorando o fato de que seu interesse é proporcional ao seu conhecimento de bola futebol, ou seja, nenhum.

O seguro de si. Aquele parça (sic) que se ama. Tem corpão, tattoozona, bundão, pintão. Ele é o máximo e sabe que todo mundo ali dentro (e lá fora, e no universo) quer ser ele, por isso anda peladão mesmo e fala com os brothers bem de pertinho, porque ele é macho e se garante.

O métro. Ele é metrossexual sim e desde que o assunto foi capa da GQ ele tem orgulho disso sim. Por isso, enfileira os produtos na pia sim e passa hidratante na perna de forma languida se olhando no espelho sim. Nas internas é chamado de Joãozinho do Secador.

A body da vez

novembro 18, 2013

body

Sábado. Onze da manhã. Shopping Eldorado. O lugar mal abriu e a movimentação já é intensa no subsolo do prédio onde fica a unidade mais babadeira da Bodytech, a rede de malhação que é a nova queridinha da jeunesse dorée paulistana.

Na entrada da academia o design minimalista serve de aviso aos mortais de que o shopping lá fora (conhecido por ser popular) é uma coisa e lá dentro a história é outra. A assepsia casa perfeitamente com o mood blasé dos funcionários, que só olham pra você quando chacoalhados com força pelos ombros (hehe brinqs). Sorrisos? Em profusão, na$ aula$ particulare$.

Ainda assim a academia impressiona. A sala de aparelhos é um desbunde. Diria que está para Mulher do Belo como o paraíso estaria pra Eva. Com direito a muito Adão (a maioria acima de 1,90) e até da maçã (grátis, mas só na exclusiva sala de aulas privadas). As esteiras, todas suspensas, são viradas pro salão facilitando o ver e ser visto, praticado com habilidade por mocinhas de moda esportiva e tiozões de gola V. A maioria de gel e chicletinho.

Enquanto você se familiariza com o ambiente, confere dez vezes se a roupa tá boa, se você tá suando demais, se a berma enfiou na bunda. Mal lembra que está ali pra treinar. Tudo piora quando passa um ex BBB do seu lado e você tem a certeza de que em algum momento da criação ele roubou o corpo que era pra ter sido seu. Dammit.

Treino completo, no caminho de casa você faz uma avaliação e se pergunta em que mundo estava quando malhar virou aquilo. Paciência, verão chegou e entre encarar a cara de koo do povo ou a cara de desgosto do paquera, vendo você de sunga na praia, prefiro a primeira. Não aguenta, pede leite. Desnatado, claro.

Papo de dieta

novembro 14, 2012

O verão chegou. E com ele, a histeria em torno dos quilinhos acumulados. Pensando nisso, listei as dietas que tem feito a cabeça da galera na cidade.

O regime virótico: Um hit. Com São Paulo fazendo as 4 estações num dia só esse ficou fácil seguir. Basta você sair de manhã num visual verão. O tempo vai virar, você pegar uma gripe violenta, uma semana de cama e pá, reaparecer um palito. Meio pálido, meio passado? Sim! Porém magérrimo.

O tratamento da lama: Que lama mágica nada colega! Consiste em você terminar um relacionamento, chorar por dias, perder a fome, enfim, chafurdar na lama da desilusão. Quando a tristeza passar (não parece mas passa) você colhe os louros: um corpo trabalhado no osso pra levar pra pista.

A dieta do sol: numa cidade como São Paulo, esse não sai da moda nunca. E é bem simples. Você sai de segunda a segunda numa vida regada a sexo drogas e rock n’ roll, vendo o sol nascer todo dia. Em menos de um mês você deixa a Yasmim Brunet no chinelo.

A da magia negra: essa é a dieta das celebridades que tão sempre magra nas revistas tudo. A pessoa dá entrada no Copa D’Or para ter filho e já sai de lá com o filho no colo (da babá) e a barriguinha de fora, com tanquinho. Desculpa, só magia explica. No caso, a negra (contatos do pai-de-santo no meu mail, please).

E por fim, tem a dieta vida real: que é você cortar o doce, a pizza, dormir bem e malhar 40 minutos, cinco vezes por semana. Sim, cinco vezes. Mas como ralar que é bom ninguém quer, boa sorte com as quatro primeiras.

Dieting

fevereiro 25, 2010

Chega uma fase que você realiza que tudo o que você gosta é ilegal, imoral ou engorda. Com o ilegal e o imoral tudo bem. É no engorda que a coisa complica.

Afinal, o mercado é competitivo, a paquera exigente e a praia implacável. E para ter quality assurance elevado, a gente tem que no mínimo corresponder as próprias expectativas.

E aos trinta a gente aprende que algumas coisas mudam. Se antes nego fechava a boca e já ficava trincado, hoje pode virar faquir que vai trincar só de fome.

Mas não é por isso que a gente vai jogar a toalha. Ou o garfo. Hoje dá para fazer dieta bacana sem viver de tofu. Claro que a sua geladeira vai parecer o setor diet do supermercado.

Fácil? Não é, como tudo na vida. Bóra pensar que no fim você vai ter um tanquinho pra chamar de seu. E uma clientela fiel sempre pronta a solicitar.